Cute Pink Kaoani

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Dias cinza...



Chato aqueles dias cinza, que desde a hora que acordamos sentimos uma sensação que algo de muito errado não esta certo.
Dias assim são comuns á todos. A sensação que dá é que se tivesse adivinhado não teria se quer levantado. E ainda dizem que tudo está escrito! Se isso é de fato uma verdade, há dias que alguém escreveu de mal humor.
Nesses dias o melhor mesmo é levar na esportiva, Conselho de quem vive passando por dias meio conturbados. Já ouve um dia como esse que de fato eu parei no meio da rua olhei pra cima e falei: “Perai! Cê só pode ta de brincadeira! Nesse já dia amanheceu chovendo, mal sai de casa tomei um banho de um motorista barreiro que delicadamente passou dentro de uma poça á beira da calçada. Ma até ai você até grita um belo” Filho daquela... É aquela mesmo que você pensou! E até descarrega um pouco da vontade que dá de morrer. Bom em seguida trabalhar molhada de lama, Todo mundo pergunta nunca vi! “Se molhou?” Aff! Não rolei na lama pra passar o calor! Dá vontade de responder assim. Mesmo assim você respira fundo se controla e responde como se deve, até porque não adianta o negócio é manter o controle. Bom, nesses dias até os incompetentes que trabalham com você ficam mais desnorteados ainda e por causa de um caro colega desses foi que para piorar levei um sermão daqueles que você perde até a vontade de respirar. Foi como fiquei... Só depois de quinze segundos eu respirei fundo engoli seco e novamente pensei; “O controle é fundamental!” E imaginei que pior seria se pior fosse! E o dia também já se findava e graças há Deus os dias melhores existem e compensam todos esses dias pesadelo. Dá até pra sentir o coração palpitar escutando ao fundo á tão conhecida musiquinha de suspense é a tal da espera pelo que ainda vem por ai. Até porque quem já não ouviu falar que uma merda nunca vem só. Ela arrasta um comboio de bosta. Assim resolvi que ia continuar minha luta pela sobrevivência de mais aquele dia mórbido. Quando finalmente terminou o expediente a primeira coisa que me veio à cabeça foi! “Acabou, vou pra casa e ficar quietinha em baixo das cobertas, melhor não desafiar a má sorte.” Foi quando calei os pensamentos e veio à lembrança em minha barriga de tudo que havia comido na hora do almoço, com um som estranho nem sei com o que comparar, mas algo me dizia que havia algo de podre naquele reino! Como qualquer um faria fui resolver esse assunto imediatamente á portas fechadas só eu e o sani, o velho amigo de todas as horas, o único que nos enxerga á fundo. Caso resolvido, agora sim casa e rápido, Me encaminhei para á parada do coletivo e avistei colegas que acenavam com cara de besta. Terrível isso! Detesto demonstrações públicas de carinho, amizade. Qualquer coisa que chame atenção no meio de um bando de desconhecidos é muito chato. Imagina quando você está em um dia ruim, até porque nesses dias todo cuidado é pouco. Um tropeço numa pedra é quase certo diante de uma situação assim num dia desses. E foi exatamente o que aconteceu, Tropecei e bati de cara com o orelhão. Antes que pudesse dizer oi. O fato é que eu tinha visto algumas pessoas na parada. Mas naquele instante ao tentar consertar o desacerto parecia está indo de encontro ao Maracanã em dia de Flaflu. Mas enfim aquilo tudo estava no fim e ainda bem o coletivo foi pontual ao meu mico e finalmente eu me encaminhava para casa. Belos rapazes com mochilas subiram uma parada depois, E sim! Mesmo naquela situação reparei, Eram de fato muito bonitos até troquei olhares com um deles. E esta foi à paquera mais cara de toda a minha vida. Tratava-se de um assalto e fui gentilmente tratada pelo que me olhava, quando me pediu que eu passasse o celular, mas podia ficar com a bolsa já que eu era tão bonita, Bom, minha beleza não convenceu ao segundo que recolhia estupidamente tudo de todos os passageiros, que logo me abordou e mandou que eu desse a bolsa, Dei, mas depois de dizer a ele da simpatia de seu colega. Ele ignorou é claro e eu ali mais uma vez com cara de o que mais falta hoje. Foi quando descendo os belos delinqüentes o motorista disse que ia nos levar até a delegacia para prestarmos esclarecimento. Eu logo pensei: Claro, porque não! Não falta mais nada hoje!”Um dia assim não pode ter um final mais adequado que na delegacia. Ai sim. Certeza! A merda deve ter acabado! Que nada o comboio não havia acabado de passar! Chegamos a DP mais próxima e adivinha? Lotação! O delegado estava para completar no lanche e nos íamos ter que esperar. Até ali eu ainda mantinha o controle até que resolvi sair por alguns minutos daquele ambiente agradável e ir até a calçada fumar um cigarro, por que ninguém é de ferro e de fato ajuda a manter ao menos a boca quieta, dali em diante eu já esperava por tudo, tava com medo até de raio. Imagina que o céu tava até ameaçando. Mesmo assim acoquei na coxia e a deu vontade de chorar, mas antes que pensasse em chorar arrumei mais um motivo quando um carro passa por cima de três dos meus cinco dedinhos do pé. Ai não teve jeito além do choro, plantei o grito. “Cê só pode ta de brincadeira!”“, E o controle acaba exatamente no instante que você tem certeza de que se Deus escreve certo por linhas tortas, certeza que ele não acertou em cima da linha quando escreveu aquele dia. E tinha sim lugar mais adequado pra terminar aquele dia, “O hospital!”
Depois de relatar um desses mal dias que já passei, digo novamente, Não levante em dias como estes, mesmo que de vontade, deite de novo e espere a vontade passar.
Mesmo que acredite que está tudo escrito é melhor não confiar no bom humor desse autor.
Manter o controle? Como assim? Só se for seguidor do Dalai Lama ou tiver chapado com o Santo Daime para levar na esportiva um dia assim, Já dizia um amigo meu: Se a coisa esta ruim a tendência é piorar sim! Não se confie nas teorias e evite á prática de viver um dia cinza.
Lia Joca
12/08/2010

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá! Deixe aqui seu comentário e seja sempre muito bem vindo á postar aqui suas sugestões para postagens e opinião sobre o que pode ser interessante de ser encontrado aqui.

Abraço

Lia Joca